[Revista Sábado] “Arco do Cego é o primeiro bairro dedicado ao peão”

“Arco do Cego é o primeiro bairro dedicado ao peão
A requalificação do bairro do Arco do Cego deixou os moradores apreensivos
A requalificação do bairro do Arco do Cego, em Lisboa, permitiu ali criar a primeira zona de coexistência da cidade com esta dimensão, estipulando uma velocidade de 20 quilómetros/hora para dar prioridade ao peão, mas os moradores estão apreensivos.
“A grande inovação é que o carro deixa de ser o elemento dominante e são os utilizadores vulneráveis, como peão e o utilizar de bicicleta, que passam a ser os utilizadores principais, tendo direito de passagem em qualquer momento, […] devendo o carro abrandar ou mesmo parar para dar passagem”, explicou João Marrano, um dos responsáveis pelo projecto de requalificação.
Falando à agência Lusa no final de uma visita ao bairro, o arquitecto indicou que, para tal, foram adoptadas medidas como a “circulação máxima de velocidade limitada a 20 quilómetros/hora”, a alteração dos perfis dos passeios e a eliminação de lancis e ainda a colocação de raios de curvatura que obrigam os carros a abrandar.
Ao mesmo tempo, a autarquia tentou “minimizar a informação”, apostando nas marcas rodoviárias em detrimento dos sinais verticais, que passaram de 396 para 183.
“Infelizmente, continuamos a ter de insistir nalgumas zonas com pilaretes”, confessou.
Outro dos aspectos que se manteve foi a existência de passadeiras, mas é um elemento temporário, “para criar um momento de habituação, em que os automóveis começam a baixar a velocidade e a circular com mais cuidado”.
“Depois privilegiamos o atravessamento das pessoas […] em qualquer momento”, assinalou João Marrano.
Retirados foram 70 lugares de estacionamento, que passaram de 763 para 693, porque estavam em cima de zonas de passadeira ou dificultavam a passagem de veículos de emergência.
De acordo com João Marrano, existem outras zonas de coexistência na cidade, mas a diferença é que dizem apenas respeito a troços, não ao bairro.
Também presente na visita, a directora municipal de Mobilidade e Transporte, Fátima Madureira, acrescentou que a intervenção permitiu criar dois sentidos em ruas onde anteriormente só existia um, como as ruas Xavier Cordeiro e Brito Aranha.
“São as zonas limites, o que possibilita atravessar o bairro sem entrar”, precisou, lembrando que o Agrupamento de Escolas D. Filipa de Lencastre leva muitos carros àquela parte da freguesia do Areeiro.
Inicialmente, esta era para ser só uma obra de repavimentação, que duraria seis meses e custaria 450 mil euros.
Contudo, os trabalhos, iniciados em Outubro de 2015 e que só terminaram no final do ano passado, acabaram por custar 1,6 milhões de euros.
“Chegámos à conclusão que era uma pena fazer uma intervenção num bairro desta ordem sem actuar a outros níveis, precisamente porque tínhamos muitas reclamações [dos moradores] por causa […] das viaturas que às vezes colocavam em perigo a circulação, nomeadamente de crianças”, justificou.
Ainda assim, os moradores estão preocupados, de acordo com o movimento cívico Vizinhos do Areeiro.
Rui Martins, um dos representantes do movimento, disse à Lusa que a intervenção originou “problemas que não eram esperados”, como o “afluxo súbito de veículos” devido à alteração de sentidos de trânsito, a “confusão” gerada pela falta de comunicação e a “sinalética [horizontal] excessiva”.
O responsável adiantou que “as velocidades continuam a ser excessivas” devido à inexistência de lombas, sendo “comum ver carros a mais de 50 quilómetros/hora e até a 70 quilómetros/hora às vezes”.
Neste bairro, foi ainda implementado um projecto piloto do Regimento de Sapadores Bombeiros para sensibilizar, através de linhas vermelhas e de pictogramas com carros de emergência pintados no piso, os condutores para não estacionarem em locais onde podem pôr o socorro em causa.”
Fonte:
Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s